Nicholas Callaway

De Editora Para Startup de Tecnologia

da Redação Ebooks Deixe um comentário

Quem acompanha o andar da carruagem do mercado editorial nacional e internacional já deve ter percebido que é extremamente necessário incluir uma equipe de desenvolvimento digital em uma editora. Contar com empresas terceirizadas para tudo mostra-se custoso, além de impessoal. É preciso ter uma equipe in loco  para trabalhar junto ao resto dos funcionários, criando uma integração geral.

O site Digital Book World traz uma entrevista com Nicholas Callaway, 58 anos, que trabalhou por 30 anos com sua editora Callaway Arts & Entertainment e agora atua apenas no digital com a start up de tecnologia Callaway Digital Arts. Ele mostra que as mudanças podem ser muito mais profundas do que esperamos, e que não é tão horroroso assim passar a atuar com tecnologia ao invés de editoração.

A Callaway Digital Arts foi formada porque eu previ a época em que o principal meio de entretenimento e aprendizagem seriam dispositivos móveis e tablets. Estávamos nos preparando através da construção de propriedade intelectual através de múltiplas plataformas.

[…] Até o final de 2010, tínhamos cerca de dez pessoas. Até o final de 2011, cerca de 40, 47 agora. Estamos no meio da nossa rodada da série B de financiamento. Essa será uma fase de crescimento muito significativo, quando se passa da start-up para “major digital.”

Além do enorme crescimento, a empresa também demonstra inteligência na contratação dos funcionários. Não serve qualquer um, precisa gostar de tecnologia, precisa estar por dentro do que acontece, e assim todos podem estar integrados.

Eu vejo os nossos artistas e nossos tecnólogos como igualmente criativos. Nosso trabalho é promover e desenvolver a criatividade, quer seja em uma linha de código ou em um design de interface do usuário. Nossa missão e todo o meu trabalho especificamente é tecer esses talentos criativos em um conjunto harmonioso.

Os criadores de conteúdo geralmente não têm a sensibilidade ou conhecimentos para serem tecnólogos. Temos criado especificamente uma Callaway Digital Artsabordagem operacional que coloca todos esses talentos de tecnologia e conteúdo juntos, lado a lado em um estúdio, então eles estão otimizando e criando juntos. Isso significa que artistas, escritores, videomakers, designers de som, compositores, designers de interface, UX [experiência do usuário] designers e engenheiros estão trabalhando ombro a ombro.

Uma frase que deve ser levada em consideração:

O criador do futuro é alguém que é treinado e tem uma sensibilidade que atravessa várias disciplinas que costumavam ser não só distintos umas das outras, mas também a antítese uma da outra.

Após deixarem de ser uma editora e se tornarem uma empresa de tecnologia, passaram a atender também outros criadores de conteúdo, além de desenvolverem o próprio trabalho.

Geralmente, nossos parceiros não são, necessariamente, editoras de livros, por si só, podem ser as empresas de mídia, como Vila Sésamo, que também são multi-plataforma.

Temos uma estratégia dupla: uma é fazer parcerias com criadores de propriedade intelectual e grandes marcas, tais como Thomas the Tank Engine, que é propriedade da HIT Entertainment, e a Vila Sésamo; simultaneamente e de forma igual, estamos reunindo criadores talentosos para a próxima geração e criação de originais , subsidiária integral de propriedade intelectual e nós vemos isso como uma das nossas maiores oportunidades.

Por último, ele fala de seu produto, os apps. Com a popularidade desse meio de comunicação caindo, Callaway explica por que não se importa com o que as editoras vêm dizendo:

Não estou surpreso. Estamos em um ciclo novo e interessante. A primeira onda disse, “Nós temos que entrar no negócio de apps”. Editoras tradicionais não sabiam como fazer isso. Chamaram seu desenvolvedor de aplicativos,  jogaram o aplicativo na App Store e não funcionou. E então eles disseram, “custou muito dinheiro e não funcionou.”

Assim, um abalo está acontecendo porque eles estão com medo do totalmente interativo, de apps imersivos, porque isso leva os experts a pensarem, e eBooks são o fruto de baixo pendurado, são básicos. É na loja de aplicativos que podemos ser pioneiros nesse novo meio.

A experiência do eBook ainda é fundamentalmente portar a experiência do livro impresso para um display digital. O que os editores precisam aprender a fazer é criar de uma maneira nova.

As editoras estão trabalhando tão duro para defender uma plataforma já existente, que não podem dedicar o tempo, recursos e criatividade para serem pioneiros em um novo meio. É por isso que as editoras não estão liderando o caminho em apps. Elas vão ter que mudar profundamente o jeito de fazê-lo, ou terão de comprar as empresas que se dediquem à experiência digital.

Nicholas Callaway

Não é preciso deixar de lado sua essência, sua paixão de trabalho. Entretanto, caminhar junto com as inovações e evoluções é ter mais chances de garantir seu lugar ao sol no futuro. Callaway traz um bom exemplo de uma transformação radical que caiu como uma luva no mercado atual. E ele não para, não se acomoda: traz sempre novos funcionários, que devem ser multiplataforma, e também procura investidores e segue tendências.

Para continuar por dentro deste assunto, assine o nosso boletim semanal por email.

da RedaçãoDe Editora Para Startup de Tecnologia

Deixe uma resposta