Money

Estamos de Olho: o Preço dos eBooks no Brasil

da Redação Notícias 12 Comentários

Nos Estados Unidos, a Amazon pratica descontos em eBooks que muitas vezes chegam a 50% do valor do livro impresso. O padrão é US$9,99, preço que atrai muitos consumidores, mas incomoda muitas editoras, que afirmam não ter qualquer lucro com esse valor. E aqui no Brasil, quanto custa um eBook? As editoras falam em valores de 30% a 40% abaixo do preço do livro impresso. Isso é verdade? Alguma editora pratica preços menores?

A partir de hoje, vamos estudar de perto esta questão na estreia da coluna “Estamos de Olho”, na qual o Revolução eBook publicará semanalmente uma análise comparativa dos preços de títulos impressos e digitais no Brasil.

Não é tão barato quanto parece

Pessoalmente, já cheguei a comprar a versão impressa de um livro certa vez, pois a versão digital estava mais cara que a física, já incluído o valor do frete. Como não estava com pressa, preferi a versão que ocuparia mais espaço na minha bolsa e na prateleira.

Mas por que em alguns casos o livro digital é tão caro no Brasil? Matinas Suziki, responsável pelos eBooks da Cia. das Letras, explicou na 1ª Feira Escolar do Livro Digital que os eBooks ainda são caros por aqui porque não há demanda, e por isso o preço da produção tem de ser diluído em poucas cópias vendidas. O maior best seller digital do Brasil, a biografia de Steve Jobs, vendeu mais de 5 mil cópias. É um número irrisório perto de autores independentes que vendem mais de um milhão de cópias nos Estados Unidos. Segundo Suzuki, a maios parte dos eBooks não vende mais do que 100 cópias, se tanto.

Parece até que as editoras não conhecem o conceito do Long tail, onde um produto se paga pelas vendas que gera a longo prazo, um tipo de negócio que anda muito junto ao eBook. Entretanto, as coisas não são fáceis para os livros digitais no Brasil.

Aqui, papel para a impressão de livros e outros produtos da cadeia do livro impresso são isentos de impostos, para baratear o livro. No caso do eBook, não há nenhuma ajuda fiscal, e a cópia vendida não tem qualquer isenção, paga imposto cheio para publicações.

Além disso, há custos com a distribuição. Para uma editora, seria caótico colocar eBook por eBook no catálogo de cada livraria virtual. Pior ainda acompanhar as vendas em cada site. Por isso, editoras contam com a ajuda de distribuidoras, como a Xeriph e a DLD. Essas empresas cuidam para que os eBooks apareçam em tantas livrarias quanto for possível, e tornam mais prático o controle das vendas. Há a questão da segurança, também: o arquivo do eBook fica apenas nos servidores da distribuidora, e não é fornecido para as livrarias.

Falando nelas, é preciso considerá-las nessa história também. Algumas livrarias no Brasil cobram de 35% até 50% do preço de capa do eBook em cada venda, conforme a negociação feita com as editoras. O que sobra, precisa ser repartido com distribuidora, custos do DRM, direitos do autor, custeio das despesas de produção, e ainda tem que sobrar um lucro!

Imaginemos um eBook vendido em uma livraria por R$30,00. Se 35% ficar com a livraria, sobrará R$19,50 para a editora. Destes R$ 19,50, entre 7% e 15% (de R$2 a R$3) vão para o autor, 5% (R$1,50) com a distribuidora, cerca de R$0,50 custeiam a implementação do DRM. Ainda há os impostos, que podem variar, mas ficam em um intervalo entre 20% e 25% (de R$ 4 a R$ 5). Sobram então cerca de R$9,50 para a editora, e deste valor ela deve custear a sua equipe, as despesas administrativas. E só depois disso, vem o lucro. E a margem de lucro é baixa, ou quase nada.

Quanto custa um eBook?

Quanto custa um eBook?

Os preços são altos? Sim, e eu concordo que isso não deve continuar assim. Entretanto, também precisamos fazer nossa parte, cobrar do governo a aprovação da isenção de impostos para o livro digital, e cobrar também para que as livrarias cobrem taxas menores das editoras.

Até R$20 de diferença

Já que mencionamos a biografia de Steve Jobs, vamos utilizá-la como nosso primeiro exemplo de pesquisa de preços. É um ebook muito vendido no Brasil e no exterior. Aos valores:

Steve Jobs – A Biografia – Walter Isaacson – Cia. Das Letras

Site Versão Valor
Fnac impressa R$26,80
Saraiva impressa R$34,80
Saraiva digital R$30,88
Cultura impressa R$49,90
Cultura digital R$32,50
Gato Sabido digital R$32,50
Travessa digital R$32,50
Travessa impresso R$39,42
Amazon digital US$14,99  (~R$27,40)
B&N digital US$14,99  (~R$27,40)
Kobo digital US$21,69  (~R$39,65)

 

Aí está nossa primeira lista. Comparado ao preço de R$37,73 (média das versões impressas), a média da versão digital nacional (R$32,10) é 14% mais barata. A diferença chega a 38% se comparados os preços do impresso da Cultura com o Digital da Saraiva. E, na verdade, lá fora, nem todos praticam preços tão baixos. A Kobo tem o preço maior do que o oferecido no Brasil.

A média então se confirma apenas em alguns casos, pelo menos com esse best seller (e veremos também ao longo das semanas, com os outros títulos). Livros digitais brasileiros seguem entre 30% a 40% mais baratos que a versão impressa mais cara, o preço de tabela.

Porém, devemos levar em consideração outras livrarias, também. Se pegarmos o preço do mesmo livro impresso na Fnac, por exemplo, encontramos R$26,80, mais baixo do que qualquer eBook. Aí, mesmo com o frete, fica mais viável comprar a versão física. E, como pudemos observar, não há ainda promoções para os eBooks, a não ser títulos menos conhecidos.

Preço do eBook da Biografia de Steve Jobs nas Livrarias Nacionais

Preço do eBook da Biografia de Steve Jobs nas Livrarias Nacionais

Será que esse é um bom desconto para o eBook? Será que é possível baixar mais esse valor? Em alguns casos, é possível.

Nem todas seguem o padrão

Algumas editoras enfrentam essa média, e oferecem descontos maiores em suas versões digitais. É o caso da Boitempo, que para fazer o mercado andar, baixou os preços de seus eBooks para uma média de 50%. Há títulos com 30% desconto, e outros com até 70%. Isso tudo com os principais livros e autores da editora. “É uma atitude ousada e, por enquanto, quase suicida, mas temos tentado divulgar bastante a medida, tentando balançar o mercado de eBooks como um todo no Brasil.” afirmou Kim Doria, que trabalha na Boitempo, para o Revolução eBook.

Já a L & PM investiu em short books. A coleção “De Bolsinho” têm versões impressas com 67 páginas que custam R$5 em papel e R$3 em eBook. No fim, são 40% de desconto, mas o valor menor para boas obras já é um ótimo incentivo para a compra por leitores curiosos com o digital.

Assim, percebemos que há espaço para descontos, sim. Como cita a Boitempo, podem ser estratégias quase suicidas, mas é importante experimentar para ver como o consumidor reage. Com a chegada de grandes varejistas internacionais ainda este ano, podemos observar uma série de mudanças de estratégias por parte das editoras. Vai ser legal acompanhar tudo isso.

Com a colaboração de Eduardo Melo.

Revolução eBookEstamos de Olho: o Preço dos eBooks no Brasil

Comentários 12

  1. Rick

    Tirando o DRM que mais atrapalha do que ajuda, já teria economia, e convenhamos, os usuários brasileiros de ebook sabem dar dois cliques para remover essa incrível proteção.

  2. Fernando Norte

    Obrigado Stella,

    Já vi vc comentando antes sobre a cadeia de produção de livros, e foi bem esclarecedor sobre como as editoras tem trabalho e custo para a produção do livro digital.

    Mas ainda na minha 'leiguice' fico achando que as editoras falham mais do que acertam na questão do ebook. Não que exista uma solução mais fácil, muito pelo contrário, mas falham na falta de investimento em pesquisa de como encontrar soluções melhores para facilitar produção e distribuição, e ainda insistir em adaptar o modelo do livro impresso para o digital.

  3. Sergio Antonio Pinto Soares

    Eu não sou administrador nenhum, contudo os preços dos e-books, de qualquer um deles, passar de 10 reais sempre me parece injusto, quer dizer, já que é um e-book, porque a própria editora não pode vender no seu próprio site? (ou isso gera um custo maior?). E todos esses custos citados… armazenar, transportar e expor um livro em uma livraria de shopping, sai muito mais caro!!! E a DRM então… podiamos simplesmente limá-la, eles nos fazem pagar por algo que não queremos (a DRM), só para me dar ao trabalho de arranjar un "hack" qualquer para tira-la do livro? Se o livro é meu, digital ou não, devo ter o direito de dispor dele como eu bem quiser, se achar por bem fazer cópias aos meus amigos, ou pô-lo em um blog, ainda que ponham a DRM, farei. O conhecimento é viral, é como uma doença, ele precisa se propagar, ou então morre.

  4. Gilmar Coimbra

    Impressionantes disparates! – Eu tenho comprado alguns livros na Amazon por causa dos preços, da rapidez e da eficiência deles, mas gostaria de dar preferência para as livrarias Brasileiras. Ainda continuo muito indignado com os preços dos livros digitais no brasil. Os "caras" ainda não perceberam que se dividirem o "osso", todos ganharão! – Oxalá isso venha mudar em breve!

  5. Paulo

    O livro Direito Procesul Penal Esquematizado – Pedro Lenza é mais cara a versão digital do que a impressa. Em qualquer livraria.

  6. Priscila

    Muito informativo o artigo, porém foi escrito há algum tempo, gostaria de saber se há uma atualização para os dados do gráfico “Quanto custa um e-book?” E qual é a fonte dos dados desse gráfico. Obrigada!

  7. Pingback: Comparativo de preços de livros na Amazon, Cultura e Saraiva | Vida Sem PapelComparativo de preços de livros na Amazon, Cultura e Saraiva

  8. Leitor assiduo da silva

    Porque não popularizar o ebook fazendo campanhas onde “compre um leitor e ganha o valor dele em créditos para adquirir livros digitais”, ou então “ganhe um leitor se comprometendo a adquirir um livro por mês durante um ano”, lembro que antigamente existiam os clubes de CD, seria legal as lojas criarem seus clubes de livros… nestes moldes, procurando popularizar os leitores digitais e os livros digitais… tive de comprar um livro de contabilidade intermediária apenas 2 reais mais barato que a versão impressa (com frete), eu achei um absurdo, tudo bem que é um livro bem específico, e as vendas do formato digital devem ser sim pequenas devido principalmente a falta de cultura de leitura digital no país… mas se contarmos todos os cursos de contábeis que tem no país e a quantidade de alunos que adquiriria este livro caso fosse disponibilizada uma versão digital mais em conta… acho q dava sim pra pagar… agora vir me dizer que um livro vende apenas 100 unidades digitais… acho que há alguma coisa errada aí… eu mesmo conheço muita gente com Kindle e Kobo que prefere comprar livros impressos só pq a diferença de preço é muito pequena, mas que se o desconto fosse maior, com certeza ia de digital, essa conta que em diferença ao impresso o digital mesmo não tendo o custo do papel, impressão e da logística, mas tem o DRM, distribuição pelas lojas, e vende menos não cola… Infelizmente se as coisas continuarem assim, isso vai levar aos autores procurarem resolver o problema sozinhos… hoje você publica sozinho seus livros na loja que quiser, ganha comissão por venda que pode chegar a até 70%… e consegue entregar o seu produto pra um mundo de pessoas a preços justos! A cada dia as ferramentas de editoração ficam mais automatizadas, as ferramentas de revisão vão tornando cada vez mais desnecessário contratar alguém para revisar seu texto, e pelas artes das capas que se vê por aí, até o filho de 5 anos de um autor pode fazer algo comprável, essa conversa das editoras pode acabar gerando uma crise jamais vista, e pode levar ao fim deste tipo de serviço…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *