Arquivo digital

Saiba Mais Sobre DRM em eBooks

Eduardo Melo Simplíssimo Ebooks 8 Comments

DRM é uma sigla para Digital Rights Management, ou Gerenciamento de Direitos Digitais em tradução livre.

Vamos pensar em livros “físicos”, impressos, por um momento. Um livro impresso você pode emprestar e vender. Mas quando você faz isso, fica sem o livro. Com os eBooks, isso não acontece. eBooks são apenas arquivos eletrônicos que podem ser copiados inúmeras vezes e passados adiante inúmeras vezes. O DRM foi planejado e criado para prevenir a cópia ilimitada de um arquivo eletrônico (embora alguns consumidores de eBooks também reparem que é uma mão na roda para as empresas “trancarem” os eBooks dentro das suas próprias marcas).

O DRM designa para os eBooks vários “direitos”, determinados pela editora ou pelo vendedor. Alguns podem ser lidos em mais de um aparelho ao mesmo tempo. Outros permitem cópia parcial, outros podem até permitir impressão. Alguns só podem ser baixados poucas vezes, outros apenas uma única vez. Simplificando: o DRM restringe o que você pode fazer com um eBook, de acordo com o que a editora ou o vendedor determinam. Nem todos os formatos de eBook suportam DRM, e diferentes formatos de eBook suportam tipos diferentes de instruções definidas pelo DRM.

Qualquer livro com DRM não pode ser convertido para outro formato, porque não há maneira de se remover o DRM. Por isso, o DRM impede a conversão de eBooks. Se você compra um eBook em PDF ou ePub com DRM, ou um livro do Kindle, não poderá converter eles para outros formatos. Você pode ficar tentado a remover o DRM usando softwares e scripts fornecidos por hackers e crackers… mas isso é ilegal. Não incentivamos, nem recomendamos que qualquer pessoa faça isso.

Agora que o DRM foi tratado de forma objetiva, vamos a um pouco de análise e opinião.

O DRM do ponto de vista dos leitores em geral

Alguns acreditam que com o DRM será possível impedir a pirataria de livros. O problema é que o DRM não serve somente para impedir a circulação livre do conteúdo eletrônico que sai das editoras, ou para proteger eBooks e arquivos eletrônicos contra usos não autorizados. Serve também para controlar como, quando e onde um determinado leitor poderá ler determinado eBook, colocando a experiência da leitura à mercê do que decidem vendedores, editoras e distribuidores online – quando essas decisões devem estar nas mãos dos leitores que compram os livros.

E o DRM não impede, garantidamente, a pirataria. A criptografia do DRM é quebrada por hackers, mais cedo ou mais tarde, como foi o caso da criptografia do Kindle, por exemplo. O que o DRM impede, isso sim, são os usos honestos do eBook por aquele leitor ou leitora que é, afinal de contas, honesto.

Esse é o problema do Kindle e da Amazon, cujos livros possuem DRM e só podem ser lidos nos aparelhos e softwares da própria empresa. Os leitores são prejudicados por todos os lados, o que é péssimo.

Graças ao DRM, o leitor honesto fica garantidamente impedido de fazer cópias de segurança dos seus eBooks, adquiridos de forma legal e muito bem paga. O leitor honesto perde o direito de ler seus eBooks no aparelho que quiser, porque eBooks com DRM só podem ser lidos em dispositivos e softwares compatíveis com o DRM usado no arquivo do livro.

Um exemplo: digamos que o leitor honesto tenha um Kindle, por exemplo, e queira um livro, comprado na iBookstore, em seu Kindle. Não pode. Os livros da iBookstore têm DRM e, por isso, não podem ser convertidos para leitura no Kindle, nem para qualquer outro formato. A mesma coisa ocorre no sentido contrário: se compro um livro na loja da Amazon e quero ler esse livro em outro aparelho, diferente do Kindle, também não posso – mesmo motivo. Alguém pode argumentar: “ei, mas o leitor pode quebrar o DRM do Kindle e converter os livros!” – até poderia, mas o leitor honesto, sendo quem ele é, sequer considera essa possibilidade.

Ainda há um outro lado da questão, ainda mais perverso. O mundo será o mesmo, daqui a dois anos, cinco anos? Se a tecnologia dos eBooks mudar e os eBooks de hoje em dia precisarem ser convertidos para continuarem funcionando, sendo lidos, sabe o que signigica? eBooks feitos com DRM se tornarão imprestáveis, já que não poderão ser convertidos para outros formatos. E o leitor precisará… comprá-los novamente. Em outras palavras, o DRM acaba com a perenidade desses livros, a sua utilidade e usabilidade ao longo do tempo. E o leitor honesto que vai pagar por eBooks com DRM, nem está ciente desse risco. É algo muito sério, envolve o direito de propriedade e o direito do consumidor. Considerando que ao adquirir um eBook, um arquivo eletrônico, o consumidor adquire um produto, não um serviço, ele não deveria ser capaz de fazer cópias para uso pessoal? De garantir a existência da sua propriedade? Ou um eBook, um livro eletrônico, não pode ser considerado uma propriedade?

Alguns editores e empresas consideram que adquirir um eBook significa adquirir um “serviço” – o direito de acessar o livro. O que é bem diferente de possuir o livro. Se nós compramos um livro de papel, podemos fazer com ele o que bem entendermos. Copiar, emprestar, revender para um sebo, fazer ele em pedaços se quisermos – ou ler, simplesmente.

Resta torcer que os leitores de eBooks consigam, pelos livros, o que os fãs do MP3 conseguiram pela música: abolir o DRM dos arquivos e usufruir da verdadeira liberdade – ouvir as músicas onde quiser, como quiser, quando quiser. Sem riscos, nem preocupações. Que um dia o DRM dos eBooks se torne mais uma tranqueira insensata do passado.

Revolução eBookSaiba Mais Sobre DRM em eBooks

Comments 8

  1. Eduardo tenho que discordar de você em alguns pontos.
    Quando você diz: “Alguém pode argumentar: “ei, mas o leitor pode quebrar o DRM do Kindle e converter os livros!” – até poderia, mas o leitor honesto, sendo quem ele é, sequer considera essa possibilidade.”
    Acho que você está bem equivocado, pois vejo diversos leitores honesto que fazem justamente isso, vejo leitores honestos que chegam a comprar a versão física do livro quando baixam uma versão ilegal do livro que não existe em e-book para assim arrumar um jeito de “pagar” pelo material que está lendo.
    Fora o fato que DRM acaba criando a “compra Casada” já que se exige determinado leitor para determinado formato, e isso é proibido em nossa lei.
    Outra coisa o novo projeto de lei do direito autoral apresentado pela ministra Ana Holanda à presidente Dilma irá legalizar o backup pessoal para qualquer plataforma, ai sim quebrar o DRM será completamente legalizado, e por favor me diga a partir de que lei quebrar o DRM é ilegal.

    1. O lance é que eu até posso fazer, mas não quero. Não estou pagando por um produto pra ter que ficar tirando drm dele. Vi um tutorial uma vez, dá um trabalho desgraçado fazer isso. Portanto, independente de ser legal ou ilegal, o leitor honesto pagou justamente pra ter o produto de forma fácil e simples.

      Como a Stella disse em outro post, enquanto a solução for ‘tira o drm’ algo está errado. O mercado não está maduro.

      1. Mas aí que está Profeloy, concordo com você, mas como foi mostrado em outro post, muitas vezes é mais fácil utilizar um livro pirata que legal, já foi relatado casos de pessoas que compraram livros legalmente e não conseguiram ler mesmo através dos mecanismos indicados tamanha a complexidade do sistema.

  2. Ótimo texto. Eu concordo 100% com vc.
    O leitor honesto paga justamente pra ter o produto de forma fácil e simples, lido no seu leitor preferido, tranqüilamente. Não quero ter que ficar tirando drm pra ser feliz. E a burrice do drm é justamente essa. Se o serviço prestado pelas editoras/lojas nao for simples, a pirataria toma espaço! Se o pirata não tem drm e o que eu compro honestamente tem e me impede de usar como eu quero, qual é mais atraente??

  3. Caros,

    Desculpem estar entrando atrasado na discussão.

    DRM é péssimo, só atrapalha a vida do leitor.

    Comprei livros em algumas livrarias (Cada uma delas pede que você baixe o seu próprio aplicativo) e depois de algum tempo começaram a pipocar mensagens de erro e eu não conseguia ler meus próprios ebooks.

    Tentei fazer o download novamente, e nada… Entrei em contato com as lojas e nenhuma resolveu o meu problema, por tentativa e erro descobri que deveria estar havendo algum conflito entre os aplicativos, desabilitei o Adobe ID de todos, depois desinstalei e instalei de novo os aplicativos e habilitei os Adobe ID, só depois disso consegui ter acesso aos arquivos que eu paguei.

    Assim que consegui ler os livros a primeira coisa que fiz foi quebrar o DRM e fazer cópias de segurança, afinal se eu paguei pelo livro não posso ser impedido de lê-lo.

  4. Sinto muito, mas o que é desonesto é o próprio DRM.

    Falar em leitor desonesto é brincadeira. Compartilhar conhecimento é uma das formas mais belas e importantes da Educação e se eu quero emprestar um livro para alguém, tenho este direito.

    Será que as bibliotecas públicas infringem a lei? Contar uma palestra que você ouviu para alguém é crime?

    Sejamos francos, o DRM é uma forma das empresas de ebooks ganharem mais dinheiro a custa dos leitores desavisados.

    Ingenuamente eu comprei um ebook com DRM recentemente. Achava que era só colocar em qualquer leitor de pdf que eu teria acesso ao livro. Qual não foi a minha surpresa em saber que para lê-lo teria que instalar o aplicativo da Adobe(TM) adobe Edition e me registrar no site da Adobe com um Adobe ID.

    Não bastasse isso, essa compra casada criminosa (isso sim é crime), descobri que não existe Adobe Edition para Linux! Pensei em mandar um e-mail para Adobe reclamando (isso foi uma piada).

    Solução. Quebrei o DRM com o Calibre (que não foi nada trabalhoso, procurem e verão) e salvei o livro. Minha vontade é disponibilizá-lo para todos na net para que outros não tenham que passar pelo que eu passei, pois o mercado não fica “maduro” (eufemismo para lobby) pela “maturidade” dos empresários, ele muda se o negócio inicial não for mais lucrativo e se a sociedade pressioná-lo. É a regra do capitalismo. Ou vcs acham que as condições de trabalho da época da revolução industrial foram modificadas pela “maturidade” do mercado.

    Nesse sentido, disponibilizar os seus livros só tem a contribuir para a difusão do conhecimento e dos ebooks. Se alguém não tem dinheiro para comprar o livro, mas pode baixá-lo, tanto melhor para a humanidade.

  5. Particularmente, a internet é a casa da pirataria, tudo que é digital é pirateado, quando falamos em grandes marcas e autores, até pode existir uma fidelidade por partes do Consumidores, mais como fica os Direitos autorais? o Artista o Phd que dedicou sua vida em transformar a sua vida, quem consome, e acredita que não se pode criar meio de restringir a distribuição de conhecimento? por favor, tempo é Dinheiro. eu dificilmente publicaria um livro em formato digital, pois 80% das minhas cópia seriam piratas, isso restringindo meu mercado que já não é grande. já o impresso, tem o trabalho de copiar, digitalizar, e além do que, para copiar tem um custo, para digitalizar tem um custo de tempo. portanto com certeza é bem mais interessante pois, quando falamos em tópicos que todo mundo lê pode parecer bom, mais quando falamos em assunto restritos para educação? de uma determinada área, onde é totalmente escasso o interesse? não sei como reagir, nunca comprei livro digitais, até porque era mais fácil baixar de graça. como fica?

  6. “Alguns acreditam que com o DRM será possível impedir a pirataria de livros.”

    Se alguns acreditam realmente nisso, então também estão prontos a acreditar em qualquer coisa, como Papai Noel, fadas e duendes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *